domingo, 28 de novembro de 2010

MULHERES... Aaaaah.... MULHERES!!




Mulheres

Mulheres pela vida,
Mulheres da vida,
Vívidas e vividas.
Por vocês, homens rodam o mundo a pé,
Poetas conhecem o amor...
E como diria o profeta Zé,
Cantando seu verso em prosa:
“Mulher nova, bonita e carinhosa,
Faz o homem gemer sem sentir dor...”

Não são deusas,
São simples humanas,
Poesias normais...
Amantes casuais comuns...
Gente como eu e tu!
Isto é o seu melhor!
Se gente fosse vela,
Seriam vocês cera...
E se não me engano,
Muito bem disse Caetano:
“Debaixo dos caracóis dos teus cabelos
Uma estória pra contar...”

Termino este texto chato,
Dizendo bem o que eu acho,
Nesta data bela 08 de março,
Espero que tenha sido de agrado.
Falou bem Pixinguinha,
De quem roubo as palavras
E faço minhas:
“Meu coração não sei porque...
Bate feliz quando te vê...”
E copio Chico
Afirmando:
“Todo dia ela faz tudo sempre igual...”
Dou graças a Deus!
Agradeço a Ele!
Com vocês nosso mundo é mais especial...
E digo e repito,
E se não bastar dou um grito:
“Se Deus criou coisa melhor que mulher guardou pra ele...”

Julius Cavalcanti
08/03/2007

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Omissão




O silêncio também viola,
Machuca,
Esfola,
Tritura...
É como esmola
a quem pede com carteira assinada,
é como tirar tudo
de quem não tem nada!
Temos de acordar,
No mundo das fadas
não há dor...
sofrimento...
paixão...
relento...
quase nada...
Mas ó! Pshhhh!
Silêncio!

Julius Cavalcanti
28/10/2008

domingo, 7 de novembro de 2010

Hilário!




Hahahahahaha! Chega a ser hilário a revolta dos burguesinhos pela DERROTA de Serra! Parecem um monte de crianças chorando no berçário porque querem voltar a ser o centro das atenções, como nos tempo Pré-Lula! Tempos em que o Nordeste e as outras regiões do Brasil eram quase que totalmente negligenciadas e esquecidas pelo governo federal! É muito fácil olhar pra Lula e dizer que ele não é trabalhador, que ele faz isso ou aquilo outro! Acho também curioso como um povo que se diz "intelectualmente superior" (honestamente duvido disso...) como é o caso dos paulistas, tenha eleito como seu representante um cara como Tiririca! Sinceramente, dá pra pensar que Tiririca de fato represente o povo de São Paulo... um povo que tanto fala do voto dos outros mas que elege, além de Tiririca, caras como Maluf, Clodovil, etc.
Acho interessante porque NENHUM admite que alguém sem nível superior fez um governo muito melhor pra o povo em geral que o PSDB, na pessoa de FHC, com toda sua formação acadêmica que não nos serviu de nada, sua "elegância" e sua política Neoliberal. Ninguém lembra que, no Governo FHC um decreto presidencial, especificamente no ano de 1998, PROIBE a abertura de escolas técnicas, à exceção de parcerias com empresas privadas! Nos 8 anos de Lula, foram criadas 214 escolas Técnicas ao passo que nos 8 de FHC foram 11. Foram criados milhões de postos de trabalho, milhões de pessoas que antes se resumiam a desejar consumir, agora consomem graças a Bolsa-Escola, Bolsa-Família, entre outros! Não que eu seja absolutamente a favor deste tipo de benefícios, não me posiciono nem a favor de que ele seja um programa definitivo, final; nem que ele seja ruim. Sou da opinião de que são programas extramamente necessários principalmente para aqueles que tem nenhuma ou quase nenhuma chace de conseguir um trabalho. "Só sabe o que é a fome quem passou por ela". Estes Milhões de cidadãos que, sem chance alguma de entrar em uma Universidade Federal e/ou Estadual, podem cursar uma particular através do Pró-Uni e assim abrir um espaço no mercado de trabalho, melhorar suas condições de vida! O projeto "Minha Casa, Minha vida" que tem auxiliado milhões de pessoas a conseguir comprar a própria casa. E aquele dinheiro (quando havia), que antes era destinado a pagar o aluguel, serve para comprar, por exemplo, uma geladeira, fazer uma viagem de avião com a família, etc. Isso tudo ajuda a movimentar a economia! Ninguém lembra que o nosso amado Brasil ganhou muito espaço na política internacional graças a Lula! Nossa economia cresce a índices cada vez maiores, hoje em dia emprestamos dinheiro ao FMI, ao invés de sermos escravos deles como o governo anterior! Este mesmo FMI que, ao nos emprestar dinheiro, nos proibia de investi-lo em setores-chave como educação, saúde, infra-estrutura, saneamento básico, e etc.
Ele tem sim defeitos, bem como qualquer um de nós! Mas de uma coisa não se pode duvidar: da sua competência como gestor de um país de dimensões quase continentais, como é nosso caso. Feito que FHC, com toda sua pompa, "elegância" e diplomas não chegou nem perto de realizar.
Ah! Sobre aquele velho comentário dizendo que Dilma é "terrorista", vale lembrar que: 1) À época da ditadura, qualquer um que dissesse que o presidente era "feio" era considerado terrorista; 2) Dilma, assim como vários outros que morreram e/ou foram torturados pelos militares, deram suas vidas e juventude para nós tivessemos o direito ao voto, à livre-expressão, etc. Então devemos a esta mulher e a todos que lá estiveram lutando contra um regime opressor como a ditadura, talvez não a presidência (isso quem decide é o povo como um todo), mas no mínimo respeito! E, finalmente, 3) Enquanto Dilma e os outros "terroristas" estavam aqui sofrendo e lutando por nós, onde estava o agora candidato (Graças a Deus, NÃO-ELEITO) José Serra? Estava muito bem no Chile, esperando a "coisa esfriar" para chegar agora se dizendo o "Salvador da Pátria"! Não quero discutir o voto de ninguém, no entanto gostaria de pedir respeito a um homem que tanto fez por aqueles que mais necessitam neste País.
Não defendendo ou justificando, mas é que falam tanto dos casos de corrupção da Era Lula que dá a entender que as anteriores foram um poço de honestidade! Poderia lembrar alguns para citar como exemplo, mas deixaria este post muuuuuuuuito mais comprido do que já está. Ah! Só pra constar, não sou do PT nem filiado a qualquer partido, sou apenas um cidadão orgulhosamente brasileiro e pernambucano!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Nascer é um direito... viver também!



De fato o assunto é polêmico, a vida é realmente importante e ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. No entanto, no caso deste assunto, acredito que não podemos nos deixar levar pela visão e dogmas religiosos. Vejo que é uma questão delicada posto que, mesmo sendo ilegal, muitas mulheres fazem de maneira irregular, ilegal e sem a supervisão de um médico, o que custa marcas e sequelas e, muitas vezes, suas vidas. Isto sem contar os casos de estupros, dentre outras violências. Poderíamos citar também os casos que, não tendo condições de cuidar do "rebento", abandonam-no a própria sorte e/ou expõem-no a todo tipo de violências e violações contra si.
Não tenho a intenção de defender a prática do aborto exatamente pelos motivos expostos no início do texto. O que defendo, porém é que esta temática migre da esfera de discussão religiosa para que seja tratada como uma questão social e de saúde pública. Defendo a regulamentação deste direito, ou seja, a reflexão e criação de regras para este tipo de decisão. Não defendo absolutamente o "libera geral", a prática "desportiva" do aborto, o famoso "Eita! A camisinha furou! Aborta!". Mas defendo sim a discussão séria e sem a "lente fundo de garrafa", alienante da visão religiosa que, em grande parte das vezes, distorce a percepção sobre os fatos.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Solução Mágica!! PLIM!! Acabou criminalidade juvenil !!


Perdoem-me aqueles que, por estarmos em pleno período eleitoral, este post parecer um tanto polarizado. Garanto que não. É apenas a expressão da minha opinião sobre uma afirmação (infeliz, mas que, querendo ou não, mostra um ponto de vista) dita pelo candidato José Serra (PSDB).
A afirmação a que me refiro, é a promessa deste "presidenciável", quando disse que, se eleito, batalharia por uma legislação que permita ao Poder Público deixar, por mais tempo (ainda), o adolescente em conflito com a lei internado. Ou seja, preso.
Há um ano faço estágio no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), e o público-alvo da equipe da qual faço parte, é justamente esse: crianças e adolescentes em conflito com a lei, e suas famílias. Neste estágio, tive a oportunidade de ouvir relatos, ver imagens e, principalmente, conhecer uma realidade que nos é negada pela mídia. Através de fatos não publicados, notícias muitas vezes manipulada com o objetivo de atender a interesses privados, criando representações sociais e esteriótipos que nem sempre (quase nunca) correspondem à realidade, entre outros.
Durante (todo) esse ano, lidando com estas (acima de tudo) pessoas, famílias, etc., pude perceber que, apesar das investidas ideológicas da grande mídia no sentido contrário, há ali, dentro das celas apertadas (superlotadas), seres humanos. Seres que erraram e "pecaram" contra o convívio social e as leis que regem a vida em sociedade. Fato inegável! Mas, ainda assim, seres humanos.
Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), este público, ao cometer algum crime, são submetidos a Medidas Socio Educativas (MSE). Com duração de, no máximo, 3 anos. As medidas podem ser a reparação de danos, serviços à comunidade, liberdade assistida, semiliberdade e internação com privação de liberdade (prisão). Trabalhamos com adolescentes internados e que estão cumprindo MSE de semiliberdade e internação.
O que vejo dentro destas unidades, e que não se divulga, é que estas medidas Socio-Educativas não tem, absolutamente, este caráter. Tendo muito mais uma abordagem punitiva do problema, do que propriamente uma preocupação em resolver o problema. Descaracterizando o próprio nome que denomina as medidas. "PORQUÊ?". Dias inteiros ociosos, aulas (que, segundo o ECA, é de responsabilidade do Estado) eventuais, humilhações e outros tipos de agressões; equipes sem a devida infra-estrutura para a realização do trabalho, mal assistidas (técnica e psicologicamente), sem contar o constante clima de tensão, sempre apontando para rebeliões, etc. Estes são alguns pontos do cotidiano destas unidades, geridas pelo Poder Executivo estadual. Segundo a legislação, estes lugares deveriam ressocializar o adolescente infrator, oferecendo-lhe educação, profissionalização, etc. Enfim, uma chance, um modo para que não retorne à vida de crime.
O que me pergunto é: Porque se preocupar exclusivamente em deixar preso por mais tempo uma pessoa (adolescente=adulto em formação) que, muitas vezes (não todas), "grita" por socorro e atenção dos Poderes Públicos, tão ausentes em sua realidade? Porque não o investimento na melhoria da QUALIDADE dos que saem, no lugar da QUANTIDADE dos que ficam?
A conclusão que me ocorre é que é mais simples (bem mais) dizer o que o povo/massa (do qual eu e você fazemos parte) alienado quer ouvir, do que questionar-se sobre a realidade que se mostra tão urgente, no sentido de pensá-la, refletí-la e, de fato, buscar resolver o problema... Afinal, é época de eleição...época de falar a solução de todos os problemas do país...

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Pensamento de bar...


Que o álcool, como tudo na vida, possui dois lados, é, além de óbvio, incontestável! Mas porque será que quem faz uso, geralmente simplesmente ignorar o "lado negro da força"? Sua ligação com patologias, acidentes, desentendimentos, etc?
Há quem diga que a realidade atual apresenta-se tão hostil e repressora que, como forma de escape, busca "viajar" fazendo uso de drogas (lícitas ou ilícitas), entre elas o álcool. A relação do ser humano com drogas e substâncias que o "desligam" da realidade é muito mais antiga do que se tem registro. Penso que buscar culpados nesta relação, seja indivíduo ou ambiente, seria, até certo ponto, ingenuidade. Vale lembrar que boa parte dos conflitos e sofrimentos se dá na interação entre as partes.
Não ouso entrar neste campo de discussão tão extenso e polêmico, mas pergunto o que nós, enquanto indivíduos e parte integrante do ambiente, enquanto produtores e produto de cultura, costumes, valores, etc., podemos fazer para buscar uma interação que seja, não livre, mas menos geradora de dores, conflitos e sofrimento?
Um mundo sem drogas, sem sofrimento, sem conflitos? Vejo este cenário como impossível, uma vez que o próprio humano é ser de conflito e possibilidades. E esperar perfeição, sendo o mundo produção e produtor de nós enquanto seres humanos, seria no mínimo contraditório.
Mas... como ainda não inventaram imposto por sonhar, não custa nada, né?

sexta-feira, 14 de maio de 2010


É impressionante como o sistema faz parecer belo os contrastes que apresenta!
"OFERTA! LIQUIDAÇÃO! O MEU CARRO CUSTA O TEU COLCHÃO!!"
Dormir pra que?! Quem dorme perde horas preciosas...de trabalho! Exploração do outro, mais valia e blá blá blá... E aqueles tantos outros termos que conhecemos.
Mas o que chama a atenção é "beleza" tão singular de uma pessoa confortavelmente deitada na calçada de um restaurante ao lado de uma loja que exibe em sua vitrine um belíssimo carro Tucson!!! O absoluto em sua categoria!
Porém, o que mais surpreende não é a supremacia aparente daquele carro ou a decoração do restaurante. Mas, ainda mais que o carro, a absoluta invisibilidade daquele homem que dormia tão tranquila e pacificamente naquela calçada, diante da alegria! E, como "som de fundo", gargalhadas quase histéricas dos clientes do restaurante! Quem sabe dali não sai alguém que, de repente, necessite do Tucson e será seu novo dono?
Daí a pergunta que me martelou até agora e me fez refletir, pensar e escrever este texto: do que será que aquele homem que ali dorme, é dono? Com o que será que sonha? Do que, de fato, necessita? Do que riria?
E, para terminar, as mesmas perguntas acima...mas o sujeito sou "eu" (tu, ele,etc).

domingo, 28 de março de 2010

Pequena reflexão...



Após ter acompanhado durante toda a semana a constante e intensa atenção de toda a imprensa ao julgamento do caso Nardoni, vi neste domingo pelo jornal o desfecho do mesmo. Chamou-me a atenção a disposição de toda aquela gente que se aglutinava (se é que posso usar esta palavra) em frente ao Fórum onde se dava o julgamento. Vi pessoas que vinham de longe, passando dias e dias ali, chegando cedo, perdendo trabalho, etc., enfim, todos unidos ali, clamando num clamor quase unisono por Justiça. E quando finalmente sai a sentença condenatória dos réus, festa de quem está aqui fora! Festa! Festa digna de comemoração de Campeonato Brasileiro! Achei interessante o comentário de uma pessoa durante a reportagem (não me lembro o nome) que questionava o que se estava comemorando. O saldo daquele "show" era: uma menina morta, duas pessoas que passarão os próximos 30 anos presas cada, uma mãe que além do sofrimento de perder uma filha em tão terrível situação, teve de ver o assassino desta filha. O que há para comemorar?
Não pretendo em absoluto menorizar o grau deste crime que tomou proporções nacionais e até internacionais! Foi sim um crime brutal, entre tantos outros que somos obrigados a conviver cotidianamente mas que não recebem a devida atenção da mídia, que infelizmente apenas se "revolta" quando a vítima é também da classe média para cima. O julgamento teve, ao meu ver, o desfecho que deveria e que todos já esperavam.
Não é, no entanto, sobre especificamente o julgamento, a parcialidade da imprensa que só se move quando lhe interessa, etc que me proponho a refletir.
Questionei-me enquanto assistia à reportagem (confesso que um tanto decepcionado) se não estaríamos em situação muito melhor se nosso povo, assim como fizeram a exigência por justiça unidos, vindo de longe, mesmo tendo que chegar muito cedo, alguns até faltar o trabalho, entre outros exemplos, fizesse o mesmo clamor, a mesma exigência quando o assunto fosse outro. Quando no lugar dos Nardoni, falassemos de escolas sem condições de trabalho para professores e alunos, um ensino fundamental, básico, médio e, por consequência, superior de qualidade, infra-estrutura escolar e, no lugar de criarmos reprodutores de palavras, criássemos nas escolas cidadãos (ãs) e pensadores de fato; falassemos e exigissemos hospitais em condições de uso, equipamentos de qualidade para uma saúde pública digna; uma estrutura social que não apenas "aprisiona" o pobre em sua pobreza, o silencia e aliena com assistencialismos vazios; Se no lugar de passar a semana falando de Nardoni ou (o imbecilizante) BBB, falássemos e exigíssimos das autoridades que façam nada mais que seu trabalho, para que não tenhamos que pensar uma, duas, três vezes antes de sair e, mesmo assim, com medo de não voltar...entre outros tantos mais exemplos.

Comentem aí... dêem suas opiniões! Vamos trocar idéias... :)
Abraços a todos!

Julius Cavalcanti