quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Nosso breve retrato...


Vivemos numa sociedade em que as violências, uso de drogas se configuram como alguns dos principais sintomas de desigualdades sociais, curta ou inexistência da noção de limites, aparecem como frutos de uma sociedade de consumo, onde este se mostra totalmente irresponsável e inconseqüente. Vemos diversos setores praticamente “esquecidos” pela sociedade e pelo Estado, que só lembra-se destes na contabilização dos votos e, no caso da população carcerária, nem aí que, como sabemos, preso não tem direito ao voto.
Sofremos uma verdadeira “chuva” de estímulos que, literalmente, “empurram” o sujeito ao consumo de algo, na maioria das vezes, acima de suas possibilidades de arcar com os custos do produto desejado. Despertam-no desejos que até o momento em que dado estímulo não havia sido “captado”, simplesmente não existiam ou não se mostravam tão latentes e emergentes no sujeito.
Não somos treinados para exercer a cidadania, apenas para o “comprar, comprar, comprar!”. Eis a palavra de ordem em nossa sociedade: Compras, Consumo= Felicidade! Infelizmente, nas escolas muito pouco se vê do que seja a prática da cidadania. Ao contrário, somos o tempo todo “condicionados” a uma vida extremamente competitiva onde a única regra deste jogo é VENCER! Não importa os meios (a mídia que o diga ao nos bombardear com “Big Brothers”, “A Fazenda” e outros “emburrecedores” / alienantes e/ou “calmantes sociais” do gênero). Enfim, vivemos a confirmação daquele ditado que diz: “Os fins justificam os meios”.